Nova Frontier 2018

Quando o avião desceu às 17:00 em Petrolina, a temperatura era de 34 “graus do Celso”, como se diz na roça. Inevitavelmente a música de Luiz Gonzaga “Petrolina, Juazeiro” veio à mente. A música eu conhecia bem, a bela cidade no estado do Pernambuco, ainda não.

IMG_5215

Vista da Orla do rio São Francisco / Aeroporto Petrolina

De lá eu partiria para a Expedição Nissan, fazendo parte da organização deste evento muito bacana organizado pela montadora Nipônica. Após já ter passado por Minas Gerais, a expedição iria percorrer Pernambuco, Bahia e Piauí nesta etapa.

O produto em foco nesta ação promocional da Nissan é a Nova Frontier modelo 2018, lançada no segundo semestre de 2017. Totalmente reformulada, ela vem com motores, chassi, câmbio e equipamentos novos, chegando a um segmento muito competitivo e com competidores tradicionais, como Toyota Hilux, Chevrolet S-10, Ford Ranger, VW Amarok e Mitsubishi Triton.

IMG_5420

Eu curti bastante o novo visual, com os imponentes faróis em Full Led chamando a atenção na parte da frente, e o capô longo fazendo uma espécie de “flecha” com o para-choque. A lateral tem uma linha de cintura alta e contínua, acompanhando o desenho do capô e terminando com a caçamba seguindo o mesmo desenho, dando uma sensação de fluidez e esportividade, mas mantendo a imagem de robustez característica desse tipo de veículo. As rodas são “apenas” aro 16, mas elas não se parecem pequenas nas caixas de roda, e são calçadas com pneus Maxxis 750 Plus Bravo H/T 255/70. Estes pneus grandes e altos são essenciais para o conforto ao rodar do carro e do seu desempenho no off road, sem interferir ao dirigir no asfalto, como pude conferir. Parado ao lado de outras pick-ups no trânsito, percebi que a Frontier é um pouco mais alta que as outras caminhonetes, eu ficava a cerca de um palmo acima do colega do carro ao lado, que me olhava com cara de poucos amigos ao perceber que o amiguinho aqui era mais alto que ele.

Além do visual, um novo e eficiente motor 2.3 biturbo agora fornece a força para o conjunto, com um excelente e novo câmbio automático de 7 marchas. Este câmbio tem as primeiras marchas mais reduzidas, ideal para as situações de subidas ou caçamba cheia, além de arrancadas e retomadas. As duas últimas marchas funcionam como “Overdrive”, priorizando o consumo. O escalonamento ficou muito bom. Os turbos agem em sequência, com uma turbina menor entrando em ação nos giros baixos e outra maior nos giros mais altos. Ao se acelerar com tudo, as duas turbinas entram em ação, e nas velocidades de cruzeiro apenas a turbina de baixa fica acionada para priorizar o consumo. A potência e torque são iguais aos do antigo motor 2.5, com 190cv a 3.750 rpm e 45,9 kg de torque entre 1.500 e  2.500 rpm.

No primeiro contato com o carro, gostei muito do novo interior, desde bancos, volante e painel. Me senti confortável e ao longo dos dias fui percebendo que todos os comandos são fáceis e intuitivos. O painel possui um visor digital onde se visualiza várias informações sobre o carro, dados do computador de bordo, sensor de ré, etc. Em pouco tempo, eu já automaticamente acionava os botões e comandos sem ter que procurar com os olhos onde estavam. Os comandos básicos de ar-condicionado, multimídia, faróis e computador de bordo eu uso bastante quando dirijo e dou valor quando são fáceis de usar. Infelizmente os vidros elétricos só possuem função “one-touch” no lado do motorista para descer o vidro, mas enfim, carro japonês é assim mesmo, segue o baile. O ar condicionado era digital dual zone. Junto com o isolamento da cabine, mesmo no calor pesado do Piaui, ele deu conta do recado sem levar poeira pra dentro do carro. Louvável essa característica, já que pra quem vai efetivamente rodar na terra como eu fiz, faz toda diferença pro conforto e limpeza interna do carro.

No primeiro dia com a Frontier versão LE, a top de linha, tive que carregar a caçamba (de 805 litros de capacidade e medidas de 1,52m de comprimento, 1,56 de largura e 47,3cm de altura) com muitos produtos, a maioria bebidas. Ela possui ganchos ajustáveis em trilhos nas laterais, que facilitam demais a amarração do que for carregado ali. Ideal para o pessoal que faz trilhas de moto e afins.

Saindo de Petrolina, passamos por Juazeiro e fomos em direção à barragem de Sobradinho do Velho Chico. Você conhece este local pelos versos de Sá e Guarabira “O Sertão vai Virar Mar” da música “Sobradinho”, referente ao nome da cidade onde fica a barragem. Diz a lenda, que um antigo profeta local determinou o alagamento da região dizendo que “o sertão vai virar mar”. A “profecia” virou realidade com a barragem. E uma linda música também, conhecida em todo país. Mais uma vez eu tinha a oportunidade de conhecer um local que servia de inspiração artística musical.

PS: algumas fotos do mirante da Barragem de sobradinho, definitivamente um dos locais mais belos que já fui.

IMG_5370IMG_5376IMG_5386

 

Nessa primeira parte da viagem eu fiquei prá trás do comboio, mas precisava chegar junto a eles a apenas 120 km de onde eu estava, nas Dunas de Casa nova, local onde se formaram belas dunas também a beira do rio São Francisco. Pensei que deveria ter que “apertar muito o passo” para os alcançar mas a pick up rende muito bem em estrada. Mesmo com 26 libras nos pneus, senti total confiança de imprimir um ritmo mais forte, sem ter nem que usar toda força do motor, nem ter que exigir muito nas curvas. Simplesmente dá pra andar um pouco mais forte sem susto. Eu de costumo sempre uso a função sequencial dos câmbios AT, e na Frontier as trocas são bem rápidas para este tipo de motor e câmbio. Usei basicamente o câmbio nesta posição o tempo todo (trocas semi-automáticas). Apesar de comandar manualmente as trocas, a central do câmbio não aceita muito marchas que deixem o motor abaixo do pico de torque de 1.500 giros. Nas reduções ele até que não limita muito a entrada da marcha e permite reduções para giros altos, mas, isso não e lá muito necessário em carros com motor a diesel turbo alimentados.

IMG_5285

Chegando na estrada de terra que levava às dunas, fiquei surpreso: como ela se comporta bem neste tipo de situação no fora de estrada! A suspensão é do tipo Mcpherson na frente, mas atrás possui um belo sistema “Fivelink” com molas helicoidas. Aliado ao chassi de alta resistência, o comportamento do é carro excelente, superior ao de outras pick ups, com um comportamento dinâmico muito bom, com a traseira “saltando” menos e com menos saídas de traseira. O rodar em estrada de terra possui conforto, aliado ao isolamento acústico eficiente e boa altura dos pneus, e se você não prestar atenção vai dirigir em velocidades entre 80 e 100 km/h sem perceber. Ela absorve bem os buracos e aceita mudanças de trajetória fortes numa boa. Ponto positivo importante da nova pick up.

No fora de estrada, em estradas de terra, um “problema” que pode ocorrer é a atuação do controle de estabilidade. Explico: Como ele é feito para manter o carro na trajetória, no caso de um movimento mais brusco de mudança de direção onde naturalmente a traseira iria sair, ele tende a “corrigir” a situação e pode atrapalhar a trajetória que foi decidida pelo condutor, pois na terra a aderência é menor e naturalmente o carro desliza um pouco sobre a superfície.  Eu passei por essa situação exatamente num trecho onde tive que desviar minha atenção para outra coisa, e quando percebi a estrada fazia um “cutuvelo” (curva muito fechada) à frente. Eu estava a 100 km/h, pois como falei, ela ganha velocidade sem você perceber.

A única alternativa que tinha era fazer um “pêndulo”, movimento de rally onde se joga a traseira do carro para um lado e para o outro para poder entrar numa curva fechada soltando a traseira (para evitar que o carro saia reto de frente). Mas meu medo era do ESP “abortar” o movimento e fatalmente o carro tenderia a passar reto. Como previsto, o sistema entrou em ação mas no final da curva, travando a roda de dentro da frente. Impediu um pouco de terminar a manobra como eu queria mas não interferiu na trajetória. Lembrando que o ESP e controle de tração podem ser totalmente desligados.

Aqui a lenda do rally Collin Macrae nos ensinando como fazer este tipo de manobra:

Nas dunas, uma dos carros do comboio atolou feio numa subida forte. O carro era da produção também e estava bem pesado. Bom momento para testar as capacidades off road da pick up da Nissan. O motorista não havia tentado usar nenhum recurso de tração ainda. Eu entrei, coloquei o câmbio na caixa reduzida, liguei o bloqueio de diferencial e desliguei as babás eletrônicas, e tentei dar uma ré. Os pneus já estavam bem afundados na areia e ela nem se mexeu, mas fui fazendo movimentos leves na direção e rapidinho ela saiu da situação embaraçosa que se encontrava.

O computador de bordo marcava 10,5 km/l de média quando fomos em direção ao Piauí, e quando cheguei no Albergue na Serra da Capivara estava em 11,5 km/l, isso num trajeto total de mais de 800 km percorridos já, incluindo a parte da estrada de terra e dunas. Um consumo muito bom, méritos ao motor de litragem não muito grande, com duas turbinas que trabalham em conjunto e o câmbio de 7 marchas.

No dia seguinte percorremos a Trilha da Energia, na Chapada dos Viadeiros, no meio de uma interessante vegetação alta e densa mesmo na região extremamente seca, que conta com um visual incrível. O caminho possui alguns trechos bem íngremes que foram cimentados. Tira um pouco da graça do off road, mas garante que pessoas inexperientes possam percorrer o local, especialmente em dias de chuva

Eu estava com o carro carregado, e resolvi ligar a caixa reduzida para ver como ficaria o comportamento. Acionei a chave no painel, e percebi que a luzinha indicativa ficou piscando. Como não havia ligado o sistema antes, fiquei na dúvida se havia acionado ou não. Cheguei em algumas subidas bem fortes, e o carro subiu sem dificuldades, parecia que a reduzida estava engatada… mas eu estava na dúvida ainda. Então refiz o procedimento e agora sim, a luzinha parou de piscar. Na outra ocasião eu não havia esperado tempo suficiente com o carro parado para o sistema ficar ativo. Assim que eu arranquei o carro de novo, fiquei impressionado com tamanha força que a Frontier apresentou nessa situação. As marchas ficam bem reduzidas mesmo, parecido com um jipe. Relação de marcha curta e força não falta para encarar obstáculos fora de estrada na Frontier. Fiquei curioso de enfrentar maiores dificuldades com a pick up japonesa depois dessa leve trilha.

Infelizmente, a expedição estava chegando ao fim, e o trajeto dessa vez seria direto da Chapada até Petrolina. Eu novamente saí atrás do comboio mas deveria chegar ao hotel antes de todos. Calibrei os pneus para 37 e 35 libras, e tive que imprimir um ritmo um pouquinho mais puxado dessa vez. A estrada reta e com boa visibilidade dava a impressão de se poder trafegar em velocidades mais altas, mas a grande quantidade de animais à beira da estrada não permitia se fazer isso com segurança. As fortes marcas de pneus na estrada indicando freadas fortes em direção aos acostamentos  era um lembrete constante do perigo, para os mais observadores. Mas eu alcancei em alguns momentos velocidades mais altas, e digo que a Frontier tem fôlego para atingir e manter velocidades que surpreendem quem não espera muito desempenho de um carro desse porte. Mas, não recomendo isso a qualquer pessoa, que fique bem claro.

Antes desse trecho da viagem, minha média ainda era de 11,5 km/l, e quando cheguei a Petrolina ele indicava 10,5 km/l. Como todo carro, até uma certa velocidade o consumo se mantém numa média muito boa, mas ao subir um pouco mais a velocidade o consumo é bem maior. Normalmente acima da velocidade normal de cruzeiro de 110-120 km/h. Mesmo assim, ainda excelente consumo num trecho total percorrido de uns 3000 km, incluindo quase todo tipo de terreno e situação, como estrada de terra, dunas, trilhas, usando o 4 x4 e caixa reduzida, em maior parte do tempo com a caçamba carregada.

Descarreguei o resto das coisas da caçamba da Frontier, e digo que entreguei o carro com um sentimento de ligeiro apego. Ela me serviu muito bem em todas situações que precisei. Rodei vários km por dia sem sentir cansaço, e os bancos com a tecnologia “gravidade zero” cumprem o que prometem. Qualquer banco com pouco conforto e apoio me causa bastante dor nas costas, e não senti nada mesmo dirigindo por até 10 horas no mesmo dia. A visibilidade é boa, os faróis a noite iluminam bem demais e a faixa de Led é visível de longe. Comandos fáceis, suspensão bem calibrada, espaço interno ok, powertrain eficiente.

O único grande porém dela na minha opinião é o fato de contar apenas com 2 Air Bags Frontais e nenhum lateral ou de cortina. Ela merecia isso. No resto, ficou difícil achar coisas a criticar. Na minha opinião, a nova Frontier precisa ser opção a ser analisada por qualquer um que queira comprar uma Pick Up zero km hoje. As concorrentes possuem características diferentes em alguns itens de comparação, mas a Frontier atende bem na média dos quesitos que costumamos observar e tem boa relação custo x benefício. Belo projeto da Nissan para aumentar a competitividade do segmento no país.

Um salve especial para toda a equipe que participou deste evento, pessoal de altíssimo nível! Obrigado por tudo!

img_5669.jpg

Este mineiro que vos fala tentando se proteger do calor do Piauí – sem sucesso.

Anúncios
Padrão